Você sabia que as empresas também têm “alma, mente e coração”?

0

A alma, a mente e o coração de uma empresa nascem e se qualificam a partir do nível de eficácia da gestão de sua cultura organizacional.

Mas, o que é Cultura Organizacional?

A cultura organizacional é uma expressão muito comum no cenário empresarial que, de forma simplória, significa a “cara” de uma empresa e sua identidade, seu CPF e sua personalidade. A cultura organizacional é o que gera vida dentro de uma companhia, tornando-a dona também de uma alma, uma mente e um coração.

Essa tal cultura organizacional é formada por uma série de crenças, normas, rituais e valores adotados pelas organizações. Funciona como uma bússola que aponta qual direção seguir. É exatamente isso! Essa estratégia de gestão norteia decisões difíceis, escolhas importantes, programas, políticas, código de ética e etc. É uma tradução da essência de uma empresa e uma maneira de identificar o sentido de sua existência. Ajuda, também, a mapear onde e em que estágio a empresa se encontra, aonde quer chegar, como fará para chegar onde pretende e qual caminho deverá seguir.

É a cultura que detecta a missão e provoca a definição dos objetivos e das metas. Da mesma forma que estabelece o estilo de gestão das chefias e o próprio comportamento das pessoas dentro da empresa.

Como essa estratégia de gestão emergiu dentro da administração?

A consciência sobre o tema ganhou peso e maiores proporções na segunda metade do século XX, depois que alguns investigadores da área de Gestão e Estudos Organizacionais, apresentaram os benefícios de se estudar, entender e propagar uma cultura dentro das organizações. Essa sacada representou um marco na Comunicação Organizacional e no “mundo” da Administração e da Gestão Corporativa.

A ideia de cultivar uma cultura foi estudada pela sociologia há bastante tempo. No entanto, só a partir dos anos 80, o conceito de cultura organizacional começou a ter mais visibilidade na mídia, de forma sustentável.

Nos anos 90, essa metodologia alavancou! Entretanto, foi bastante criticada pela rapidez com que conquistou a aprovação do conselho acadêmico, já que ainda existia uma preocupação com a falta de embasamento desse método e a ausência de experimentos com respostas de sucesso.

Havia uma versão que defendia e apostava que esse conceito não possuía processos robustos e que, por esse motivo, entraria em decadência em poucos anos. Essa linha de pensamento julgava ser inviável a mensuração do comportamento humano e a aplicação de uma prática comum a todos os colaboradores de uma empresa.

Mesmo assim, nessa época, o conceito de cultura organizacional havia se tornado uma estratégia moderna dentro das grandes companhias… “Meio que uma modinha no ambiente corporativo”.

Empresas internacionais começaram a expor mundialmente seus cases de sucesso com a instauração de uma cultura institucional. Aos poucos, como até hoje, essa decisão é compreendida como um propósito estratégico importante por favorecer, realmente, histórias de sucesso com diferenciais no âmbito dos negócios.

Lamentavelmente, todo bom conceito corre o risco de ser penalizado quando é mal aplicado. A implantação das diretrizes culturais quando efetuada sem o devido cuidado e acompanhamento, gera incredibilidade. O motivo é simples, fica evidente que há uma incoerência considerável entre discurso e prática comportamental nas tomadas de decisão dos profissionais que possuem cargos de liderança. A falta de confiança nesse processo acontece por parte dos seus colaboradores que notam claramente as contradições entre o que “dizem” as crenças e os valores pendurados em formatos de quadros nas paredes das empesas, versus o que observam nos comportamentos dos seus chefes e diretores. Essa é uma conduta censurável e reprovável, porém muito comum de se encontrar no mercado.

A verdadeira essência da cultura de uma empresa é expressa pela maneira como ela concretiza seus negócios, a maneira como ela trata seus clientes, funcionários e fornecedores, o grau de autonomia ou liberdade que existe em suas unidades ou escritórios e o grau de lealdade demonstrado por seus funcionários. Representa as percepções dos gestores, líderes e colaboradores. Por esta razão, ela organiza a administração das pessoas e dos processos.

Assim como toda pessoa física, uma pessoa jurídica é um ser que pensa, se organiza e sente, apresentando progresso, retrocesso ou estagnação.

O “ser jurídico” é composto por pessoas de diversas culturas, vindas de diferentes lugares e cada qual vivendo e convivendo em um ambiente diferente da sociedade. Cada pessoa traz consigo seus princípios, sua vivência e sua realidade.

E como fazer para que tantas pessoas com pensamentos tão diferentes voltem seus olhares para um único ponto, direcionem suas atitudes em busca de um mesmo objetivo e cooperação no ambiente de trabalho?

Bom, este é o verdadeiro papel de uma cultura organizacional quando instituída com dedicação por parte da alta direção.

É fato que se um ambiente está em harmonia de valores e objetivos, o trabalho flui muito melhor. Em um mundo ideal, as pessoas deveriam trabalhar somente em empresas as quais comungam dos mesmos valores. Digo isso, porque competência comportamental a gente pode e deve desenvolver. Valores e princípios, não. Trabalhar em uma empresa onde seus valores pessoais são incompatíveis com os valores dessa instituição é uma autoagressão. Em função disso, muitos executivos e funcionários iniciam seus processos de desmotivação e desilusão profissional…. E, muitas vezes não percebem o motivo de tanta insatisfação e infelicidade no trabalho.

Alguns componentes da cultura organizacional

A cultura organizacional baseia-se em três princípios básicos, que muitas vezes começam a ser definidos desde o desejo de abertura da mesma por parte de seus donos e sócios. São eles: missão, visão e valores. Esse conjunto forma a identidade, a personalidade, forma o coração, a mente e a alma de uma empresa.

Breve explicação

Missão é a finalidade de existência de uma organização e está ligada diretamente aos objetivos da instituição, ao motivo pelo qual foi criada. Representa sua razão de existir.

Visão é o objetivo da organização. No que a empresa quer se tornar. É onde a empresa pretende chegar e em um determinado período de tempo. A visão precisa ser concreta, alcançável, porém desafiadora e mensurável. Diferente da missão, a visão é mutável ao longo do tempo.

Valores são princípios éticos que norteiam as ações da empresa, um conjunto de regras morais que fundamentam as ações de todos os colaboradores. Simboliza o COMO alcançar seus objetivos.

Os colaboradores precisam acreditar na empresa, sentir-se parte dela e concordar com os seus passos, para contribui com o sucesso da organização. Em uma época de crise, por exemplo, caso os membros não estejam de acordo com a cultura de sua empresa, ela (a empresa) terá dificuldades na tentativa de erguer-se novamente.

Infelizmente, não encontramos muitas empresas com essa prática. As pessoas/funcionários não acreditam na veracidade do processo porque na maioria das vezes a alta direção não está comprometida com o método. Ou ainda, há muitas empresas que nem ao menos pensam em perder seu precioso tempo investindo na identificação, construção e sedimentação de suas diretrizes e crenças. Acham tudo isso, uma grande bobagem. Nesses casos as decisões e as relações são gerenciadas pelo valor pessoal de cada pessoa e principalmente de cada gestor. Esses conflitos de interesses e de direcionamentos geram uma sequência de insatisfações, problemas e desastres. Inclusive, há uma estatística que diz que mais de 90% das pessoas que são demitidas nas empresas que não possuem uma gestão cultural, tem seus funcionários afastados por comportamento, e não por incompetência técnica ou de conhecimento.

Uma das conclusões relevantes sobre o conceito de cultura organizacional é que os líderes e os gestores das empresas possuem grandes responsabilidades no sucesso dessa estratégia. Eles devem assumir o direcionamento do trabalho e servirem de modelos de comportamentos e atitudes coerentes perante todos os colaboradores.

Por fim, os valores devem nos guiar diariamente. São eles que nos farão concluir nossas metas, a fim de atingirmos nossa visão e continuarmos sempre cumprindo nossa missão. Não devem ser regras, como muitas vezes nos é apresentado. Como o próprio nome diz, valor que agrega conteúdo e consequentemente nos faz melhores. Em uma empresa com tantas culturas diferentes e tantos tipos sociais, algum pensamento precisa nortear como devemos nos portar. E, estes são os valores.

Visão, missão e valores, portanto, formam a identidade da empresa. Assim como uma pessoa física, a pessoa jurídica deve nascer e ter uma motivação para viver (missão), deve caminhar sempre olhando à frente (visão) e manter-se fiel aos seus princípios (valores).

Esse é um assunto relevante, importante e muito discutido dentro das empresas. Você precisa ficar por dentro de como funciona essa realidade. Leia mais sobre o assunto. Pesquise e tire suas próprias conclusões.

Fique de antena ligada no conceito de cultura organizacional. Pois, com certeza ainda ouvirá muito a respeito do tema, em sua trajetória profissional.

Boa semana a todos!