Lei da Empresa Júnior é aprovada e beneficia alunos de todo o país

0

Há pouco mais de um mês, no dia 6 de abril, foi aprovada no Senado uma nova lei, de autoria do senador José Agripino do Rio Grande do Norte, que regulamenta, reconhece e normatiza a modalidade de “Empresa Júnior”.

As Empresas Juniores pertencem a um movimento pioneiro que nasceu na França em 1967. Porém, é aqui no Brasil que estamos nos antecipando e fazendo história com a aprovação da nova lei. As Empresas Juniores ou “EJ’s”, como são conhecidas no meio acadêmico, são empresas compostas apenas por estudantes universitários e, na maioria das vezes, estão vinculadas e regulamentadas à universidade a qual estão inseridas.

O trabalho de caráter voluntário tem vinco social e o faturamento é revertido em benefício único e exclusivo para manutenção das taxas e obrigações financeiras da própria empresa bem como o treinamento e aperfeiçoamento de seus membros. Os serviços são supervisionados pelos professores de seus respectivos departamentos e, por conta disso, o teor técnico e a eficiência dos trabalhos são evidenciados com os números e índices de satisfação dos clientes que superam em muito as expectativas de mercado.

De acordo com a nova lei todos os cursos universitários poderão ter uma Empresa Júnior

Um dos principais tópicos normativos da nova lei é que todas as Empresas Juniores a partir de agora são consideradas empresas como as demais do mercado, ou seja, deverão ter seu próprio CNPJ, reconhecimento, obrigações fiscais e deveres legais. E, de acordo com a regulamentação, todos os cursos universitários podem ter uma Empresa Júnior – o que é muito vantajoso, pois os cursos que contam com uma EJ em seu departamento contribuem para a formação acadêmica de seus alunos, de modo que eles desenvolvem plenamente suas habilidades e talentos, recebem horas acadêmicas (AAC), têm acesso a treinamentos específicos e podem colocar em prática os ensinamentos de sala de aula.

As experiências vividas em uma Empresa Júnior são necessárias a todos os alunos de nível superior, e é notório, ao finalizar sua participação em uma EJ, o seu valor no mercado de trabalho, visto que atualmente, muitos empregadores possuem processos seletivos exclusivos para ex-membros de Empresas Juniores. E indo além da experiência profissional, a EJ nos faz evoluir como cidadãos. Em sua essência, transforma seus membros e os insere no mundo com outros olhos: os de mudança.

A Business Consultoria, empresa júnior de Administração da UEL, há 25 anos no mercado, não poderia deixar de comemorar e enaltecer esse feito que só nos acrescenta como profissionais e nos motiva a sermos cada dia mais focados a atingir nossos objetivos e a transformar e impactar positivamente a nossa sociedade e o nosso Brasil.

Rodolfo Rodrigues – Assessor da Diretoria de Marketing da Business Consultoria